Quem somos | Materiais Educativos | Fale com nosso consultor
Post

7 dicas para se ter uma boa educação financeira

O melhor período para as pessoas planejarem suas vidas é durante a juventude, contudo este é também o momento onde as pessoas mais se endividam, muito por nunca ter tido uma boa educação financeira.

Só que este descontrole não é somente do jovem, pessoas das mais diversas faixas de idade também passam por problemas financeiros por não saberem administrar o seu dinheiro.

Para ter controle de sua vida financeira, antes de tudo, é preciso saber para onde está indo o seu dinheiro, ou seja, com o que está gastando.

É preciso muito mais do que um planejamento, mas também entender que a educação financeira é um conjunto de ações que precisam ser tomadas, como cortar gastos, investir e multiplicar os ganhos e isso deve se tornar um hábito.

Entendendo isso, você estará dando um grande passo para a criação de uma vida financeira sólida, nem estou falando em riqueza, mas sim um crescimento financeiro saudável.

Leia também: 5 dicas de organização financeira para pequenos empresários

Todos queremos ter uma boa saúde financeira, mas uma pequena parte realmente está disposta a abrir mão de alguns “luxos” para poder alcançar o objetivo. Mas a boa notícia é que ser organizado financeiramente não é nenhum bicho de sete cabeças e neste artigo reunimos 7 dicas para se ter uma boa educação financeira e que certamente vão te ajudar a chegar onde você quer ir.

 

1 – Estipule metas

Uma das primeiras atitudes que se precisa tomar é estipular as suas metas, dizer para você mesmo onde você quer chegar. Mas seja realista, não coloque metas que estão, neste momento, além de sua capacidade financeira, para que no final você não se frustre. Seja racional.

Para isso, pegue um papel e uma caneta ou abra uma planilha no seu computador e descreva as metas que você tem para o ano ou mesmo um semestre.

Depois de fazer isso, você saberá onde quer ir e o que precisará fazer para chegar ao seu destino.

 

2 – Aprenda a economizar

Segundo uma pesquisa realizada pelo SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), aproximadamente 53% dos brasileiros compra por impulso e pode ser que você esteja incluído nesta estatística.

O problema, para essas pessoas, é que o departamento de marketing das lojas são treinados para fazer você pensar que as promoções que eles estão oferecendo são imperdíveis e que será a última oportunidade de você ter tal produto ou serviço.

Portanto, para economizar você precisa fazer três perguntas antes de comprar algo:

  • É necessário?
  • Preciso disso agora?
  • Posso realmente pagar por isso?

Se uma das respostas for “não”, é um indício de que você não precisa daquilo que você acha que precisa.

Aprenda a economizar nas pequenas coisas e no fim do mês verá a diferença que fará em seu orçamento.

Leia também: Conheça 5 tendências de empreendedorismo para 2020

 

3 – Faça um planejamento e pague suas dívidas

Para que possa seguir adiante com sua vida financeira, é necessário concertar os erros do passado e para isso é preciso quitar dívidas que estão em aberto. Por isso é importante que se tenha um planejamento financeiro para que possa estar sanando essas dívidas.

Procure os seus credores, negocie o seu débito dentro das suas possibilidades financeiras e saia do endividamento.

Este planejamento é bom ser revisado de tempos em tempos.

 

4 – Não gaste mais que ganha

Parece óbvio, mas nem todos gastam menos do que ganha e por isso cresce a cada dia mais o número de pessoas endividadas.

Segundo uma pesquisa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), 67% das pessoas inadimplentes são jovens com menos de 35 anos, o que corrobora com o que falei acima.

Este número representa o consumismo impulsivo onde as pessoas gastam o que não podem com coisas que não precisam.

Mas você pode tomar algumas atitudes para que seu mês não feche sempre no vermelho e uma delas é bem simples, bastando apenas utilizar a regra dos 50-15-35. Mas o que é isso? É uma forma de você organizar suas finanças obedecendo a três fundamentos:

  • 50% para os gastos com coisas que sejam necessárias para você se manter no dia a dia;
  • 15% para prioridades como quitação de dívidas ou até mesmo poupança para emergência;
  • 35% é para manter o seu estilo de vida, sendo aqueles gastos que não são prioritários e podem ser cortados a qualquer momento.

Busque aplicar essa regra no seu dia a dia e tenha uma vida financeira mais saudável.

 

5 – Corte as despesas supérfluas

Falamos acima que as pessoas gastam por impulso e isso tem sido um grande responsável pelo endividamento da população.

Para se manter saudável financeiramente, é preciso cortar as despesas desnecessárias e mesmo que você não corte todas, elas precisam ser feitas de forma consciente, se mantendo naqueles 35% do seu salário que você utiliza para manter o seu estilo de vida.

Sabemos que não é fácil fazer uma mudança de hábitos, mas se estiver determinado a ter uma vida financeira saudável, terá que tomar uma atitude quanto isso.

E você pode começar a cortar estas despesas agora mesmo, como a economia de energia, comprar somente o essencial no supermercado, fazer mais refeições em casa de forma saudável do que sempre pedir o seu lanche no delivery, dentre outras inúmeras coisas.

Você precisa estar disposto a mudar e aprender e consumir de forma consciente.

 

6 – Divida seus gastos por tipo

É recomendável que você identifique todos os seus gastos para que assim você possa separá-los por tipo.

Crie categorias que você consiga identificar de forma mais assertiva para onde está indo o seu dinheiro, por exemplo:

  • Moradia
  • Supermercado
  • Internet e TV
  • Transporte
  • Lazer
  • Poupança
  • Saúde

Você pode criar quantas categorias quiser, esta é apenas uma sugestão, mas você precisa fazer da forma em que se sinta mais confortável.

Após identificar os seus gastos, você saberá exatamente como está gastando o seu dinheiro, qual o percentual para cada coisa e saberá onde deverá cortar para que não feche o mês no vermelho e lembre-se de utilizar a regra dos 50-15-35.

 

7 – Utilize a tecnologia

Há muitas formas de você controlar os seus gastos para ter uma boa educação financeira e você pode fazer isso tanto com planilhas como utilizando sistemas ou aplicativos.

Mas o bom é que você utilize a tecnologia a seu favor, para que você possa ter um controle mais efetivo das suas finanças e saber todos os seus gastos de forma detalhada.

Utilize as dicas que demos e certamente sua vida financeira terá um outro rumo. Caso haja alguma dúvida, deixe sua pergunta nos comentários.

Robelio Junior

Um mineiro graduado em computação, que se apaixonou pelo marketing digital e trabalha na área desde 2012. Torcedor do São Paulo Futebol Clube e chef de cozinha nas horas vagas.

Posts que você pode gostar

Post Financeiro

Custo de cobrança: 5 dicas para reduzir o seu

Post Financeiro

Conheça a Lei do Cadastro Positivo

Post Gestão e Negócios

Análise SWOT ou FOFA

Post Boleto Bancário

Existem limites de multas e juros para cobrar no boleto bancário?

Deixe seu comentário